fbpx

5 erros comuns de quem quer vender na internet

No ano de 2020 vimos as vendas online crescerem de forma gigantesca. Com isso, muitas pessoas viram na internet a possibilidade de ganhar uma renda extra ou então montar o tão sonhado negócio próprio para sair da CLT.

Como consequência da falta de conhecimento, muitos tentaram mas acabaram desistindo no meio do caminho. Pensando nisso, separamos um conteúdo com os 5 maiores erros de quem quer vender na internet, para que você não acabe como eles.

1 – Não possuir uma rede social

Atualmente é quase obrigatório que todas as empresas tenham uma presença marcada nas redes sociais online, afinal o número de pessoas que as utilizam é enorme. 

Somente no Brasil, o número de usuários ativos do Facebook, por exemplo, é de 130 milhões. A rede vizinha, pertencente ao Facebook, o Instagram, possui 95 milhões de usuários, ou seja, basta olhar os números para saber que dentro dessas redes existem muitas pessoas dispostas a comprar o seu produto.

2 – Não aceitar cartões de crédito como forma de pagamento

Devido à facilidade de utilização, segurança e transporte, os cartões de crédito são os queridinhos de todo mundo. 

Ele é considerado a forma mais segura de se efetuar uma compra virtual pois garante o dinheiro na conta  – para quem vende – sem risco de inadimplência e também a segurança de ter o seu dinheiro estornado – para quem compra – em casos de fraudes.

No Brasil, o número de cartões de crédito já passa de 250 milhões. Por isso, se você quer vender na internet, você precisa aceitá-los como forma de pagamento. 

3 – Não ter um site

Além das redes sociais, outra maneira de alcançar as pessoas através da internet é pelos sites de busca, afinal, não existe maneira melhor de pesquisar um produto do que “dando um Google”.
Mas para isso, é preciso que sua empresa possua um site próprio para exibir seus produtos, o que chamamos de Loja Virtual.

Existem inúmeras plataformas no mercado que criam Lojas Virtuais de forma simplificada com diversas faixas de preço, ou seja, você pode encontrar algo que se encaixe perfeitamente no seu bolso.

4 – Não investir em anúncios

É claro que a curto prazo, para quem está começando no mundo digital, as formas citadas acima já funcionam muito bem, porém chegará um momento em que para crescer ainda mais o seu negócio digital, será preciso investir em estratégias de performance, como por exemplo a utilização de anúncios.

Os anúncios servem para direcionar os seus produtos às pessoas certas, impulsionando assim as suas vendas, e consequentemente acelerando o crescimento da sua empresa

5 – Pensar que pode fazer tudo sozinho

Esse com certeza é o maior erro de todos, não só para quem quer vender na internet, mas para qualquer tipo de negócio, seja ele físico ou digital. 

É claro que no início da jornada empreendedora, é difícil ter capital para investir em equipes e profissionais qualificados e por isso muitos acabam fazendo tudo sozinhos.

Mas chegará um momento em que você precisará direcionar sua atenção exclusivamente para a gestão da sua empresa e para isso deverá se desprender de outras tarefas.

Seguindo esses conselhos, as chances de falhar diminuem!

Loja Virtual X Loja Física

Toda iniciativa demanda um planejamento. Todo planejamento gera dúvidas e esse é um processo natural. Iniciar as atividades no mundo virtual pode gerar alguns questionamentos, principalmente para quem nunca ouviu falar de e-commerce, ou manteve comércio físico durante toda a vida.

O conceito básico de loja virtual nada mais é do que uma modalidade comercial de compra e venda feita via internet com o suporte de um equipamento eletrônico. Essa é fácil, não é?

Há muito tempo o mito de que o e-commerce não é rentável, ficou para trás. Hoje, mais do que nunca, e principalmente depois da pandemia da COVID-19 que assolou todo o mundo, não existem mais dúvidas em relação a este questionamento.

Aqui vão algumas das muitas potencialidade que o comércio eletrônico detém sobre as lojas físicas

Disponibilidade 24/7

Sim. O comércio eletrônico nunca fecha. E se isso não é um super motivo para adentrá-lo, o que mais seria não é mesmo? A disponibilidade e a conveniência do consumidor aqui importa mais que qualquer outra coisa. Você não precisará pagar hora extra aos funcionários por extrapolarem os limites do horário comercial. No e-commerce todo horário é comercial

Acesso

O e-commerce permite o acesso à sua loja a qualquer momento com uso de smartphone, tablet, computador, notebook ou qualquer outra mídia que tenha acesso a internet. Em um mundo hiper conectado, e onde vivemos a era da “internet das coisas”, acho que isso é um super motivo para migrar pro virtual, né? Só no Brasil, mais de 70% da população já tem acesso à internet. Um número muito alto, não é mesmo?

Custo baixo

“Ai mas tudo isso aí é caro!”, “Vender na internet custa muito!”. Essas são algumas das queixas de muitas pessoas que ainda não vendem na internet. E pior: decidem propagar informações inverídicas. Vender na internet é muito, repetindo, (muito!), acessível. Enquanto em uma loja física você precisa lidar com burocracias relacionadas ao pagamento de impostos, complexidades contratuais em relação a contratos de funcionários e aluguel, limpeza entre outras coisas, no e-commerce nada disso se faz necessário. Você não precisa de funcionários. Além disso, pode trabalhar com uma margem de desconto maior e oferecer preços mais acessíveis.

Alcance geográfico

Enquanto com a loja física você detém um alcance limitado, muitas vezes local e/ ou regional, com o e-commerce você pode estender seus limites. É claro que isso também pode partir de uma decisão sua, mas lembre-se, o céu é o limite.

O que são canais de aquisição e quais os melhores para e-commerce

Se você busca vender mais no seu e-commerce, sem dúvida nenhuma você deve investir em canais de aquisição. Eles são a chave para o crescimento de qualquer negócio, afinal se você tem mais clientes, maior é sua receita e consequentemente maior o seu crescimento.

A venda deve ser o foco principal de uma empresa, afinal “empresa que não vende, quebra!” Sendo assim, para manter sua empresa em pé e faturando, você deve sempre buscar meios para aumentar seu número de clientes e de vendas. E é aí que entram os canais de aquisição.

Mas afinal o que são canais de aquisição?

Canal de aquisição é o termo utilizado para designar um meio, estratégia, software ou qualquer outra ferramenta que tem como objetivo adquirir novos clientes. Ou seja, se tratando de e-commerce, canais de aquisição são as formas de levar o seu potencial cliente até a sua loja virtual.

De forma geral, existem inúmeros canais de aquisição em utilização no mercado, porém isso não quer dizer que todos funcionam para o seu tipo de negócio. Como o nosso foco é e-commerce, vamos falar sobre os principais canais utilizados nesse business.

Principais canais de aquisição do e-commerce.

Redes Sociais

Hoje encontramos públicos de diferentes interesses dentro das redes sociais online. Consequentemente isso as torna viáveis para qualquer segmento. 

Você pode utilizá-las de diversas formas, seja para humanizar e se comunicar melhor com seus clientes, para produzir conteúdos referentes a seus produtos/serviços, ou até mesmo para fazer ofertas. 

De todas essas formas, você pode acabar direcionando seus clientes para sua loja virtual e aumentar sua receita.

Anúncios

Sem dúvidas você já foi impactado com um anúncio de vídeo no YouTube, ou simplesmente estava navegando pelas redes sociais e viu aquela oferta daquele sapato que você queria, não é mesmo? Pois bem, esses são os anúncios. 

Agora imagine esse mesmo anúncio com os produtos/serviços oferecidos pela sua empresa? 

Não é à toa que esse é um dos melhores, se não o melhor canal de aquisição para o e-commerce. O poder de segmentação deste canal torna-o altamente viável, pois você direciona os anúncios somente para o público que deseja atacar; um dos motivos pelos quais ele é o preferido.

Otimização de SEO

Já ouviu aquele ditado “quem não é visto, não é lembrado”? No contexto dos buscadores isso faz ainda mais sentido.

Imagine que quando alguém busca alguma informação através do Google ou outros buscadores, a preferência de escolha na maioria das vezes é dada para aquele site que aparece no topo dos resultados. A sua loja virtual aparece no topo das buscas quando algo relativo a ela ou seus produtos é pesquisado?

Se a resposta é não, saiba que algumas alterações nas configurações do seu e-commerce podem mudar esse jogo, e é aí que entra a otimização de SEO.

(Se você nunca ouviu falar de SEO clique aqui e saiba mais)

Member Get Member

Já comprou um produto ou contratou algum serviço por indicação de algum amigo ou conhecido? Quando alguém indica traz uma sensação maior de segurança não é mesmo?

Pois é disso que se trata o Member Get Member. Traduzido para o português significa “membro obtém membro”, ou seja, é um programa de indicação – um cliente já engajado com a sua marca a indica para outras pessoas e em troca disso ele ganha algum tipo de recompensa.

A maior vantagem dessa estratégia é o seu custo, pois a recompensa dada pela indicação pode ser em forma de desconto ou outro tipo de voucher que não implica diretamente na saída de dinheiro do caixa da empresa.

Esses são só alguns exemplos de canais de aquisição para o seu e-commerce. Se focar nesses, com certeza o crescimento virá.

Volte à página inicial do nosso Blog e confira mais conteúdos como esse!

Gatilhos mentais: o que são e como utilizar + 5 estratégias valiosas

Que o Marketing Digital se baseia em estratégias para geração de  leads, já estamos cansados de saber, né?

Existem diversas estratégias: algumas complexas e outras simples. No entanto, todas precisam seguir uma referência em comum: dar aos leads o que eles querem, na hora e nos lugares certos. Essa é a ideia principal do Marketing.

Uma dessas estratégias importantes é a utilização dos gatilhos mentais e é dela que falaremos a seguir:

O que são Gatilhos Mentais?

Os gatilhos mentais, apesar do nome sugestivo, não se tratam de técnicas manipulativas. Eles fazem parte da psicologia, e compreender como podem ser utilizados, é a chave para o sucesso de qualquer empresa.

Isso porque todos os seres humanos possuem estímulos motivacionais parecidos que, quando ativados, os levam para a ação.

Portanto, os gatilhos mentais, podem ser considerados armas psicológicas que contribuem para acender aquela fagulha da necessidade de ação. Como o nome já nos diz, indica algo que impacta a mente do receptor e que desperta suas reações mais instintivas.

Qual a função dos Gatilhos Mentais dentro do Marketing?

Os gatilhos mentais facilitam na tomada de decisões. É instintivo para os seres humanos reagir quando expostos a algum fator externo, por isso os gatilhos são tão essenciais ao Marketing Digital. 

São pensados para serem ativados através de nossos cinco sentidos. Muitas vezes os gatilhos chegam a passar despercebidos aos olhos de pessoas menos “treinadas”, mas sempre estão lá, nos estimulando. 

No entanto, é importante se lembrar: o gatilho precisa (e necessita!) ser ético.

5 tipos de Gatilhos Mentais

Prova Social

Os seres humanos, enquanto sociedade, acabam sempre sendo influenciados positiva ou negativamente pelo o que as outras pessoas de seus círculos sociais estão fazendo e por aquilo que elas gostam e indicam.

A ideia de que todos estão usufruindo de algo que desperta nossa curiosidade, direciona nosso olhar para este produto automaticamente. Somos colocados à prova…

E, sendo assim, esta estratégia sempre vai lidar com números: quantas pessoas já compraram isso? quantas já assistiram? quantas gostaram?

Autoridade

A autoridade talvez seja o gatilho mais complexo, isso porque, para ativá-lo precisamos que nossos negócios tenham, de fato, sua autoridade construída.

Não se trata apenas de afirmar que o seu negócio é o melhor, mas de fato, de buscar diariamente esta posição.

Além disso, é preciso manter sua equipe focada e resiliente dentro de sua empresa para que o gatilho funcione. Antes de sua autoridade ser externalizada é preciso ter a confiança plena de seus clientes.

Como fazer isso? Mostrar que a sua solução é a mais adequada de todo o mercado. Assim, você vira uma autoridade.

Novidade

Outro sentimento intrínseco ao ser-humano é a novidade. Já se perguntou o porquê de sempre estarmos procurando por novidades?

Segundo alguns estudos, quando somos expostos a novidades, nosso cérebro simplesmente recebe uma carga maior de dopamina, aquele hormônio responsável pela sensação de “recompensa”.

Este gatilho é muito utilizado como estratégia para o lançamento de algum novo no portfólio da marca. Com ele, provocam a curiosidade dos consumidores e os induzem a tomar uma decisão: comprar.

Escassez

Sabe aquele ditado que diz que só damos valor quando perdemos? É.. Praticamente todos nós vivenciamos algo assim em algum momento de nossas vidas. Isso acontece porque nosso inconsciente associa valor com escassez.

Quanto mais difícil for para nós conseguirmos algo, mais valioso ele se torna.

Esse gatilho é bastante utilizado pelas lojas virtuais para instigar essa percepção de raridade para um determinado produto e induzir que as pessoas percebam que caso não comprem agora, talvez o produto acabe logo logo…

O estoque baixo, aqui, é um super aliado.

Urgência

O gatilho da urgência é muito próximo ao da escassez. No entanto, aqui, o gatilho lida com o fator tempo. Este gatilho te faz pensar “melhor comprar agora e me arrepender depois”. A Black Friday é um exemplo claro de gatilho de urgência.

Ela estipula apenas um dia no ano (tempo limitado) para comprar os produtos com os melhores preços.Quer explicação mais palpável que essa?

Gatilhos mentais são estratégias muito importantes e contribuem para otimizar os resultados de suas campanhas de marketing.

No entanto, não podemos utilizá-los de maneira antiética e se utilizar de argumentos falsos ou mentiras, afinal, ser ético é parte do caminho para atingir o sucesso pleno.

Você sabe o que é Neuromarketing?

Conheça um pouco mais sobre esta ferramenta estratégica que pode te ajudar
em diversos aspectos


Neuromarketing nada mais é que a mistura entre os estudos da neurociência e marketing.
Qual seu principal objetivo? Entender quais motivações fazem um consumidor preferir uma
determinada marca, comprar um produto e as relações entre clientes, marcas e fidelização.

O neuromarketing não se contenta apenas em avaliar o que está explícito nas pesquisas de
satisfação e nos feedbacks dados pela clientela; certamente estes processos são fundamentais
e contribuem para o papel do neuromarketing, mas é preciso ir além.

A tomada de decisão que antecede a compra não acontece de forma racional e com
padronizações lógicas. Ela se inicia no inconsciente: estímulos externos, propagandas,
interações midiáticas, sons e até mesmo questões olfativas podem fazer com que as pessoas
iniciem seu processo de compra.

Sendo assim, o neuromarketing não é necessariamente uma estratégia. Ele funciona mais
como uma ferramenta; uma forma de estudar o comportamento humano a partir de como o
cérebro processa as informações, e por isso, é dada a importância de ir além das pesquisas
introdutórias sobre o tema.

De maneira básica, o cérebro pode ser dividido em três partes, sendo elas: reptiliano, límbico
e neocórtex. Qual a função de cada parte? O reptiliano controla tudo que for responsável pela
nossa sobrevivência, como a respiração por exemplo. O Límbico é responsável por emoções
mais complexas, e tem relação com armazenamento de dados e memória, por exemplo. Já o
Neocórtex diz respeito às decisões, nosso raciocínio e as relações sociais. O neomarketing
sabe, portanto, a partir do funcionamento do cérebro, da necessidade de se utilizar as
estratégias para acionar justamente partes relacionadas às emoções: o reptiliano e o límbico.

Como o neuromarketing pode beneficiar seu negócio?

Contribui na tomada de decisão:

O neuromarketing potencializa os resultados de seu negócio. Quando você entende o que
influencia os consumidores para a definição de uma compra, você tem a possibilidade de
realizar melhorias e ações para isso.

Produtos mais próximos dos desejos do público

Com o neuromarketing você pode satisfazer os desejos de sua persona, entendendo o que de
fato ela espera dos produtos e que tipo de movimentação será preciso fazer para que o
produto em questão ataque seu subconsciente e influencie a sua compra.

Aprimora a experiência do consumidor

Com o neuromarketing você evidencia seus próprios benefícios e pode otimizar a experiência
do consumidor ao notar o que gera mais reações positivas engajamento e cliques, por
exemplo. Sabemos que nos dias atuais, o consumidor dá extrema atenção ao atendimento,
principalmente quando ele é personalizado. O neuromarketing pode te ajudar nisso também.

Há quem diga que estudar os mecanismos e ferramentas de neuromarketing não se configura
em uma postura ética, principalmente pela confusão entre as palavras manipulação e
persuasão. Enquanto a persuasão, crucial ao neuromarketing, servirá para convencer uma
pessoa a concluir algo que já existia dentro de si, a manipulação, pelo contrário, estaria mais
ligada ao fazer uma pessoa tomar uma decisão contra a sua vontade, mentindo e omitindo.

Lembre-se, neuromarketing é necessário e está praticamente em tudo. Não podemos escapar
dele.

Conheça o endomarketing e entenda como implementar a estratégia

O endomarketing, também conhecido como Marketing Interno tem como principal objetivo, melhorar a imagem da empresa em relação aos seus colaboradores. Ele é responsável pela redução do turnover (rotatividade de funcionários), além de contribuir para atração de novos talentos, ao atrair funcionários com qualificação cada vez maior para fazer parte do quadro do time.A estratégia visa além disso, o estímulo e o desenvolvimento de uma boa imagem da empresa, para torná-la um “emprego dos sonhos” para quem a vê de fora.

Qual a importância de investir em endomarketing?

O principal ponto positivo diz respeito à influência dos colaboradores dentro da própria equipe, já que eles são responsáveis pelo contato diário com todos os processos. Sendo assim, quem melhor que eles para opinar e influenciar as pessoas a respeito da marca e/ou empresa?
Tudo culmina na vivência diária: alguém que trabalha em um lugar que se sinta bem e confortável, sempre terá uma retórica positiva acerca de sua realidade, seu trabalho e seu dia a dia.
O endomarketing existe justamente para que as pessoas passem a enxergar a empresa de uma forma mais humana e carismática, desenvolvendo um sentimento de pertença.
É assim que muitas empresas comprovadamente se destacam no mercado, então porque ficar de fora disso?Além de uma menor taxa de rotatividade e deste sentimento de pertencimento, é claro que a relação com a produtividade não poderia ficar de fora. Estudos comprovam que empresas com boas estratégias de endomarketing têm seus colaboradores e seu quadro profissional trabalhando com mais dinamismo, proatividade e claro, garantido melhores resultados.

Como implementar?

Embora ligado ao marketing, a estratégia também necessita de uma equipe ligada ao RH, já que essa equipe será responsável por buscar e desvendar as principais debilidades e necessidades da empresa.Depois de um panorama geral do RH, a equipe de marketing inicia seus trabalhos. Uma das práticas mais comuns ligadas ao endomarketing são os treinamentos aos colaboradores, com auxílio e experiências mais humanizadas de trabalho. Além disso, nos últimos anos a bonificação por resultados também se tornou uma forte prática dentro de corporações, contribuindo para o dinamismo das empresas. Palestras motivacionais e práticas de integração não podem ficar de fora!E aí tá esperando o quê para inserir o endomarketing na sua empresa?

Tendências de SEO para 2021

Como você imagina o SEO em 2021? Com o avanço das novas tecnologias o  Google está em constante mudança, o mercado digital está cada vez mais aberto para novos projetos. Então, juntos, vamos descobrir o que deve marcar as novas estratégias para esse ano.  

O rankeamento do topo do Google certamente é o que todos esperam do seu conteúdo, ou seja, atrair e resultar em leads, baseado em um site que funcione de uma forma orgânica, que, para alcançar esse objetivo, necessitamos aplicar as técnicas de SEO, que nada mais é que, otimizar os mecanismos de busca em sites, blogs, e páginas da web, para que se enquadrem ao algoritmo do Google, que é atualizado frequentemente para sempre garantir uma melhor experiência para o usuário.

Além do algoritmo, o comportamento e as preferências do público também devem ser levados em consideração. Em última análise, o ponto principal  para manter um bom posicionamento é a qualidade da experiência que você oferece aos visitantes do seu site. 

Para alcançar bons resultados em uma estratégia de marketing digital, é importante estar sempre atento às oportunidades de mudança que ocorrem com mais frequência. Com isso em mente, selecionamos as 9 principais tendências de SEO para 2021. 

Um pouco das tendências de SEO para 2021

  1. Conteúdo longo e relevante
  2. Foco na UX (Experiência do Usuário)
  3. Nível de segurança do Site.

Necessitamos de todos os pontos para uma boa experiência, e um bom resultado, ou seja, em uma pesquisa rápida o cliente deve encontrar no seu site tudo o que necessita. Em outras palavras, ao acessar seu site, os seus visitantes devem encontrar páginas de carregamento rápido, menus intuitivos e outros elementos que tornam a experiência mais rica e eficiente. 

Com tudo, entender as tendências de SEO para 2021 é garantia de sucesso, melhorando suas estratégias e resultados, dando grande importância a produção de conteúdos relevantes, originais e sempre atualizados. 

Entenda tudo sobre posicionamento de marca

O posicionamento de marca é o elemento central em relação ao sucesso e a sua permanência e não depende da área de atuação. O conceito é essencial no marketing digital, sendo impossível fugir dele na hora de vender.

O posicionamento de marca tem relação direta com a identidade da marca e também com o Branding.

Para um dos maiores escritores e pensadores modernos sobre marketing digital, Philip Kotler, o posicionamento de marca está em: “desenhar a oferta comercial de forma a ocupar um lugar na mente dos consumidores”, portanto, é um processo que não acaba nunca, e precisa de estudo e continuidade.

O posicionamento também envolve visibilidade e engajamento entre os usuários, e não seria diferente.

O posicionamento não pode acontecer antes do segmento de mercado: as personas devem ser totalmente compreendidas.

Por isso, antes de mergulhar no conceito é preciso organizar a casa, para que tudo esteja alinhado.

Um dos principais pilares do posicionamento de marca são: trazer vendas contínuas, visibilidade, autoridade e claro, credibilidade.

É claro que, no momento atual, o ambiente digital tem privilégio e o posicionamento de marca precisa estar no topo de prioridades, pois ajudará de toda e qualquer forma.

Posicionamento e reconhecimento de marca não são as mesma coisa, e precisam ser bem definidos em sua estratégia de marketing!

Posicionamento é um conceito guarda-chuva e abarca muitas coisas; está diretamente relacionado a vendas, participação no mercado e frequência de uso, produtos e serviços.

Se analisarmos, percebemos que estes aspectos também estão no reconhecimento de marca, e em quanto ela é conhecida pelos potenciais compradores. Fica a dica, separe-os.

Por isso, a importância de posicionar a marca vai muito além de apenas divulgar, e também está ligada às necessidades de pensar metodologias e práticas integrais.

Conheça um pouco do Human Experience

Human Experience é a invenção de experiências alinhadas com as pessoas.

As marcas param de tratá-los apenas como usuários ou consumidores, mas como seres humanos, que possuem emoções, sentimentos e uma vida além do perfil consumista. 

As plataformas tecnológicas são tão onipresentes nas nossas vidas que, esquecemos que o mundo é movimentado por pessoas. No marketing, são seres humanos que planejam e executam as ações por trás das telas, elaborando e recebendo os anúncios e conteúdos que são enviados diariamente pelas empresas.

Dessa forma, a concepção de Human Experience (ou experiência humana) vem conquistando poder. Busca-se como objetivo aproximar marcas e consumidores, levando em consideração a essência humana, que constantemente perde-se na aceleração do ritmo que vivemos, e consequentemente, nas interfaces digitais.

Com a decorrência do distanciamento social, ocasionado pela pandemia do novo coronavírus, essa ideia ganha ainda mais importância.

Pessoas são seres sociais, necessitam da interação com seus pares. Porém a covid-19 distanciou e criou barreiras nessa interação, virtualizando as relações, implantou videoconferências nas empresas, e consequentemente, a experiência humana alinhada pelas marcas expressa tanto sentido.

O que é Human Experience?

A Human Experience, aborda como conceito a inserção dos  seres humanos como foco principal das estratégias de marketing, criando grandes conexões de valor.

Não associado apenas com o fator consumidor, mas sim, um cliente em potencial, ou seja, o foco é o ser humano, e qual a melhor marca para se conectar. 

Essa concepção destaca-se num viés de aceleração do mundo, que mesmo com a pandemia, a tecnologia procura formas de enfrentar a velocidade frenética, de forma prática e ágil, ao mesmo tempo que também nos robotiza.

Limitamos nossas interações sociais a curtidas e comentários, abandonando o costume de dizer que gostamos de alguém, focamos em avaliações online no lugar da troca de experiências com consumidores, damos prioridades por compras realizadas na internet do que de forma presencial, entre outras maneiras. 

Ou seja, o tempo é nosso principal objetivo, o controle do tempo, limita as ações e as nossas interações.

Por isso, a prioridade das empresas de marketing de relacionamento, permeia-se nas interfaces digitais, que acabam materializando essas relações que foram limitadas.

Dessa forma, o conceito do Human Experience é reconectar os seres humanos à sua essência. Ou seja, o objetivo é fazer com que a marca e o ser humano criem uma conexão, sempre viabilizando as interações como cliente e consumidor do seu produto, toda marca necessita de uma identidade que crie relações com seu público alvo. 

Entenda o que é Dark Social e sua importância no Marketing Digital

Dark Social é um termo que tem ganhado bastante importância ultimamente

Dark social é um volume de ações que não pode ser medido por métodos analíticos normais.

Ele está protegido pelos sistemas de criptografia das ferramentas de mensagens instantâneas. Por isso, qualquer link compartilhado nessas conversas pessoais não pode ser detectado facilmente.

É bom lembrar que as pessoas estão compartilhando links para o seu site, seja nas redes sociais ou em outros canais.

No entanto, não ser capaz de medir o volume preciso uma vez que isso aconteça cria alguma imprevisibilidade. Como resultado, cada vez mais profissionais estão preocupados com o social dark. 

Uma das características mais importantes do marketing digital é precisamente a capacidade de monitorar com precisão o desempenho das estratégias. 

Encontrar recursos válidos e seguros pode ser a melhor maneira de manter a medida como deveria: detalhada, cheia de números e capaz de estruturar estratégias cada vez mais precisas. 

Sendo assim, se preocupar com o dark social é cada vez mais importante para as equipes de marketing.

Neste artigo, abordaremos o assunto em detalhes, passando pelos alguns tópicos

Sobre Dark Social

Dark social é um termo desenvolvido para classificar todas as métricas de compartilhamento de link que não podem ser rastreadas por ferramentas analíticas tradicionais.

Por mais que o nome possa se referir a algo negativo, este não é exatamente o ponto. A única desvantagem do dark social é, obviamente, que essas são medidas sociais importantes que não são fáceis de medir.

O termo foi cunhado por Alexis Madrigal, jornalista que decidiu estudar e discutir o assunto com base em um importante princípio: temos realmente acesso a todas as informações que deveríamos ter sobre nosso conteúdo na web?

Pelo menos quando se trata de compartilhar links, fica claro que não é o caso. 

Os aplicativos de mensagens estão no centro do problema. A segurança é a principal razão pela qual esse volume de tráfego está “escondido”.

Quando falamos sobre dark social, estamos falando principalmente de links compartilhados em aplicativos de mensagens instantâneas. 

No WhatsApp, Facebook Messenger, Snapchat, Hangouts entre outras, as conversas são protegidas para garantir a privacidade. 

Essa tecnologia é essencial para proteger os dados pessoais e as informações que podem ser trocadas durante essas conversas.

Portanto, se esse conteúdo for privado, é impossível para as ferramentas de análise de métricas detectar links compartilhados dentro dessas plataformas, em chats pessoais. 

O volume de informações nesses aplicativos é enorme. É muito comum, ao se pensar em canais de tráfego, considerar principalmente os que estão mais no “momento”, como as redes sociais. 

Porém, os aplicativos de mensagens têm grande impacto nas estratégias de marketing, principalmente por serem formas de comunicação direta entre as pessoas.

O que significa que qualquer tipo de conteúdo pode ser compartilhado nesses espaços.